Buscar
  • Grupo Fienile | Redação

LUZ NO CAMPO. A maior inovação da agricultura mundial.

Atualizado: Abr 3

Com apenas 40 dias de irrigação artificial de luz, durante a florada e início do enchimento de grãos, já foram projetados acréscimos de 66% na produção da soja.


SUPLEMENTAÇÃO LUMINOSA


A dispersão e o desenvolvimento humano pela Terra foram essencialmente influenciados pela busca por sobrevivência, de tal forma que atualmente o homem ocupa todas as regiões do planeta.

Contudo, apesar de seu estabelecimento estar sempre condicionado à disponibilidade de alimento, nem todas as pessoas têm acesso satisfatório e adequado à alimentação. Atualmente, a população mundial está em cerca de 7,76 bilhões de pessoas (worldometers.info, 2020), e cerca de uma em cada nove pessoas no mundo não tem o suficiente para se nutrir (World Food Programme, 2019).


Responsabilidade da agricultura

Esta situação de escassez de alimento é ainda mais acentuada em diversos países africanos e do sudeste asiático. Apesar dos problemas de distribuição de alimentos serem agravados por questões políticas, por situações de conflitos e desperdícios da produção, a quantidade de alimento acaba sendo insuficiente.

Entretanto, a maior oferta de alimentos via uma maior produtividade agrícola (produção por área) poderia mitigar os problemas dessa escassez, assim como reduzir os custos de produção e do produto final para o consumidor. Essa maior produção agrícola deve, todavia, ser amparada em princípios ecológicos (sustentável) e sociais para atender, de forma justa e com equidade, a uma população crescente.

A evolução da agricultura permitiu, entretanto, aumentar de forma considerável a produção agrícola, possibilitando que mais pessoas tenham acesso a alimentos em quantidade e qualidade. Porém, os avanços consideráveis de produção agrícola sempre estiveram ligados à abertura de novas áreas, alterando de forma negativa diversos biomas por onde a agricultura passou ou se estabeleceu.


A importância da soja

A cultura agrícola da soja se destaca em área ocupada (36,8 milhões de hectares) e em quantidade de produção (122,2 milhões de toneladas) no Brasil (Conab, 2020), e esse destaque é devido a esta ser uma das mais eficientes culturas para a produção de proteína de alta qualidade e de excelente custo-benefício.

A proteína contida nos grãos de soja irá posteriormente compor rações e depois será convertida em proteína animal – este é o caminho principal da soja brasileira na China.

Produções recordes de até 149 (CESB, 2017) e 213 (UGCE, 2019) sacas de soja por hectare já foram registradas no Brasil e nos Estados Unidos, respectivamente. Contudo, para que tais recordes sejam atingidos, um conjunto de fatores deve ser fornecido em quantidade adequada e no momento apropriado.

Antes do planejamento dos fatores de cultivo, como a definição da genética a ser cultivada e do manejo fitossanitário, a cultura precisa ser plenamente atendida de fatores primários, como o manejo nutricional (solo), a irrigação e a disponibilidade de energia luminosa.

O não atendimento pleno de qualquer desses fatores afeta significativamente a produção final de grão, reduzindo a produtividade média (produtividade média nacional: 55,4 sc ha-1 de soja, Conab, 2020) e, consequentemente, a disponibilidade de alimento para a população.


Irrigando luz

Até recentemente, fatores como a genética, o controle de plantas infestantes, insetos, pragas e doenças, a irrigação e o manejo da nutrição mineral podiam ser manejados para elevar o teto produtivo de uma área. Contudo, o fornecimento de energia luminosa em larga escala sempre esteve na dependência da luz solar.

A luz natural varia tanto diariamente quanto conforme as estações do ano e a latitude de localização da área. Em regiões agrícolas de maiores latitudes (por exemplo, Estados Unidos e Europa), as variações sazonais de luminosidade são ainda mais expressivas, permitindo, na maioria dessas regiões, apenas uma grande safra agrícola por ano.


Foto: Adriana Mendes


Avaliando esta limitação e as soluções aplicáveis é que está sendo proposta e praticada a suplementação luminosa do cultivo agrícola por meio da instalação de painéis de iluminação artificial de alta eficiência (Light Emitting Diode) em pivôs de irrigação. Esta proposta, desenvolvida pelo Grupo Fienile®, permite não só irrigar água no sentido convencional, mas também irrigar luz sobre toda a lavoura de uma forma completamente controlável.

Esta proposta, inédita pela escala de aplicação, está gerando resultados em pivô de irrigação tradicional em propriedade no município de Monte Carmelo (MG) – primeiro pivô no mundo com irrigação de água e luz.

Com apenas 40 dias de irrigação artificial de luz durante a noite – e durante o dia em períodos nublados – durante a florada e início do enchimento de grãos já foram projetados acréscimos de aproximadamente 66% na produção da soja, indo de cerca de 71 sc ha-1 (padrão da fazenda) para até 118 sc ha-1 no tratamento onde foi adicionada a iluminação artificial ao padrão da fazenda (safra 2019/20).


Validação do trabalho

Essa produção acima do padrão tradicional também exigiu adequações no manejo da cultura, da semeadura à colheita, na quantidade e no momento de aplicação dos nutrientes essenciais e benéficos. Existe, ainda, a possibilidade de redução da aplicação de fontes minerais – geralmente salinas e degradantes da dinâmica do solo – pela aplicação de fontes mais sustentáveis, como remineralizadores e a adição de matéria orgânica, do aumento da eficiência dos fertilizantes minerais existentes e de adubações verdes visando fixação de nutrientes no solo.


Matéria Publicada pela https://revistacampoenegocios.com.br/irrigacao-de-luz-o-proximo-grande-salto-da-producao-agricola/



BRENO AZEVEDO

ENGENHEIRO AGRÔNOMO, DOUTORANDO EM FITOTECNIA


ERNANE MIRANDA LEMES

ENGENHEIRO AGRÔNOMO, FITOPATOLOGISTA, DOUTOR


MATHEUS IIDA

SÓCIO FUNDADOR DO GRUPO FIENILE


1,847 visualizações2 comentários

©2020. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Grupo Fienile

  • Instagram Fienile
  • Facebook Fienile
  • Linkedin Fienile